Boneca de Estanho, de Diego Mendonça, movimentando a economia e a tradição do estanho na história de São João del-Rei.

 Boneca de Estanho, de Diego Mendonça,  movimentando a economia e a tradição do estanho na história de São João del-Rei.





👉Sua arte tem trazido à luz a herança africana, a preservação da Amazônia, o reuso de materiais e colocado a famosa cidade mineira em evidência



Diego Mendonça movimenta a economia local e divulga a cultura e a história da cidade e de Minas. Já fez exposição com materiais de reuso de madereiras de São João Del-Rei, fez parceria com a Casa das Latas para divulgar sua coleção Amazônia e conscientizar sobre a preservação. Agora, traz de volta a importância do estanho.  Seu trabalho confirma seu talento e mostra a arte como um empreendimento que pode alcançar a todos os públicos.



O conceituado artista plástico Diego Mendonça lança a Boneca de Estanho, dando vida à sua coleção de pinturas que retratam crianças com roupas da realeza, mas com estampas africanas, cada uma delas representando um direito ou sentimento necessário ao desenvolvimento infantil.


Diego Mendonça empresta sua arte para dar voz à ancestralidade e à herança africana, tão presentes em nossa cultura, bem como confirma a tradição do estanho na identidade histórica de São João del-Rei, cidade natal e sede de seu ateliê.


A boneca foi produzida no ateliê Estanhos Faemam, fundado em 1984, pelas mãos do artista Luciano Roberto do Nascimento, que trabalha com estanho desde 1987.


Com uma técnica aprimorada e esse conceito, o artista  mostra aquilo que as crianças, seja qual for a sua cor, necessitam: amor, alimento, palavra de Deus, oração, cuidado, luz e dedicação. Dessa maneira, por intermédio da arte, oferece ao observador aspectos da nossa sociedade que precisam ser urgentemente revisitados.


Se existe um objetivo, é acabar de vez com qualquer dúvida que recaia sobre a existência e a potência da cultura negra brasileira. Essas crianças  não são notas de rodapé, são o tema que atravessa todos os capítulos do que se chama de arte brasileira, pelas mãos de Diego Mendonça que, em 2023, recebeu o Prêmio Top of Mind, na categoria Artista Internacional, e vem se destacando no Brasil e no exterior, com trabalhos seus nas mãos de diversas personalidades.


Sobre o papel do Estanho em São João del-Rei


Em uma das principais cidades históricas do Brasil,  as peças artesanais em estanho trazem consigo uma natureza simbólica que mantém viva sua identidade cultural, através da religiosidade, das procissões, do sinos típicos do local, ao lado da arquitetura colonial e outras manifestações históricas


A produção de estanho teve início no século 18, quando era usado na confecção de utensílios domésticos e litúrgicos. Mais tarde,  foi substituído por objetos de alumínio e de outros materiais. Porém, na década de 60, o antiquário inglês John Lionel Walter Somers, trouxe de volta a fabricação de peças de estanho, consolidando e fortalecendo a tradição. Fábricas de produtos feitos com esse mineral foram se multiplicando pela cidade mineira.


Mas, mesmo feitas hoje em dia, as peças guardam as mesmas características coloniais do século 18. Um elo com o passado que guarda a tradição e a identidade histórico-cultural da região.


Sobre Diego Mendonça


O olhar do mineiro Diego Mendonça vê o mundo em cores. Perspectiva que coloca em quadros. Sua pintura expressa retratos da vida. Na visão desse artista, a arte fala por si e leva o espectador a reflexões sobre quem somos, o que fazemos e com que emoção fazemos.


Diego Mendonça movimenta a economia local e divulga a cultura e a história da cidade e de Minas. Já fez exposição com materiais de reuso de madereiras de São João Del-Rei, fez parceria com a Casa das Latas para divulgar sua coleção Amazônia e conscientizar sobre a preservação. Agora, traz de volta a importância do estanho.  Seu trabalho confirma seu talento e mostra a arte como um empreendimento que pode alcançar a todos os públicos.


Diego Mendonça não é apenas uma promessa, mas uma realidade artística que já conquistou reconhecimento internacional. Sua capacidade de expressar emoções e questionar conceitos por meio de sua arte é uma prova do profundo legado criativo de Minas Gerais. Como um artista em ascensão, ele contribui para a rica construção artística do estado, agregando uma visão contemporânea e autêntica.


Nascido em 1982, em São João Del Rei/MG, Diego Mendonça é um exemplo notável de alguém que trocou a carreira de advogado para dedicar-se às artes, sua grande paixão. É mestre em Artes, Urbanidades e Sustentabilidade pela Universidade Federal de São João del Rei - MG e foi discípulo de grandes nomes como o pintor Quaglia e Yara Tupynambá.  Graduando do curso de Artes Aplicadas da Universidade Federal de São João del Rei – MG. Formado em Direito pelo Instituto de Ensino Superior Presidente Tancredo de Almeida Neves, 2009.


Com um currículo que abrange mais de 70 exposições, tanto individuais como coletivas, incluindo participações em locais renomados como a Sede da ONU em New York, o Louvre em Paris, o Consulado do Brasil em New York e em Versalhes, na França. As obras de Diego Mendonça são inspiradas em cenas do cotidiano, na natureza, na música e na literatura. Suas criações convidam o espectador a refletir sobre a vida e a necessidade humana, proporcionando uma experiência profunda dentro de seu mundo pictórico.


Postagem Anterior Próxima Postagem